AMORES DIGITAIS

Se a modernidade foi visionária, a pós-modernidade nem se fala. Ainda mais quando o assunto tem a ver com as relações humanas, com os grandes encontros (embora os desencontros), ou ainda com o amor.

Acho incrível a proximidade que a era digital (ou já estamos no pós-digital?) nos permite com outras pessoas. Sem méritos de ser bom ou ruim. A questão é que é incrível. Incrível daqueles bem próximos a impressionante.

Um bom exemplo são meus avós que namoravam através de cartas. Cartas? Fico admirada com a persistência de um amor mantido através de cartas. Imagino a Dona Eloá escrevendo ao Seu Ederaldo. Quantos dias ela levava para derramar o amor no papel? Quanto tempo o perfume embebido no algodão tinha para secar e não borrar a caligrafia? Quantas semanas para a carta chegar do interior à capital: uma, duas, três? Não sei. Aliás, será que com tanto tempo pra chegar ao destino o cheiro do perfume era mantido? Os bons fixadores devem ter nascido ou sido cogitados nessa época – arrisco.

Minha mãe diz que também chegou a namorar através de cartas. Por opção, trocava a ligação telefônica pelas novidades escritas. Sair para conferir a correspondência era tão diário quanto ler os jornais. Nessa época, o amor se chegava de mansinho. Linha a linha ia-se construindo uma nova história.

Hoje a tal história é outra e passa a ser escrita por bits e bytes. Salvo os saudosistas e demais exceções, o que ontem eram cartas de amor, hoje são contas a pagar – aliás, essas não se demoram. Não é a toa que estamos mais ansiosos, definitivamente, desaprendemos a esperar.

O mundo está virado em uma grande rede (nenhuma novidade): e caiu na rede é peixe. E o amor também está logado e tem senha de acesso. Sms, e-mail, scrap, twitter são suas vias expressas. Nada que um celular quase descartável e uma conexão dial-up não possam dar conta. Nada como uma webcam para antecipar o primeiro encontro e anular possíveis frustrações romanescas.

O amor tem pressa. Minhas amigas contam que nunca foram tão cantadas na vida como depois que inventaram o Orkut. Ou ainda antes, quando surgiu o MSN ou ICQ. Pula-se a troca de olhares, o sorriso maroto. Mais fácil, mais rápido e menos trabalhoso. Com tanta facilidade, só fica sozinho quem quer – me dizem.

Sem a intenção premeditada de entrar em paradoxos, mas já entrando: virtualmente acompanhados ainda continuamos sozinhos. Se a modernidade foi visionária, a pós-modernidade nem se fala. Os amores digitais só têm a lamentar um pouco a falta daquele outro tipo de digital, ou na linguagem de hoje: a falta de pegada.

29 comentários:

  1. Olá amiga! Primeiro que tudo, quero te parabenizar por estares entre os 100 mais votados no Top Blog, isso reflete nada mais, nada menos, do que o brilhante trabalho que vens desempenhando na administração do A Cronista, prova inconteste da tua capacidade criativa. Segundo, para te confidenciar que, quando jovem, criei um alfabeto próprio para me comunicar com a namorada, pois a família dela não aceitava o nosso namoro.

    Abre tua caixa de entrada que possivelmente encontres o E-mail, informando sobre os blogs classificados.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  2. Vivemos a correria da pressa e a necessidade de ganhar tempo e viver rápido. Tao rápido q nem percebemos, nao sentimos e nem tocamos, realmente a pegada ta em falta.

    ResponderExcluir
  3. É incrível como em plena era da conectividade nos sintamos tão sozinhos! Outro dia no Saia Justa vi a Márcia Tiburi comentar sobre esta questão de como nós, pobres seres analógicos estamos tentando nos adequar à esta famigerada era digital... Com certeza nada supera aquele papel de carta, a caligrafia reveladora que despertava a vontade de olhar no olho, ouvir aquela voz tão querida, o perfume inesquecível, aquele jeito de andar, o abraço apertado, enfim... a pegada.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, a internet facilitou a nossa vida e deixou tudo menos "romantico"

    ResponderExcluir
  5. Exatamente, disse tudo! Virtualmente acompanhados ainda estamos sozinhos. E não, não é nada fácil encontrar alguem, AQUELE alguem. Um alguem é fácil, pra passar um tempo, mas um que queira ficar e q vc queira que fique...na rede é dificil, já que até na "vida concreta" fica complicado.

    Tenho visto as pessoas usando a internet (essa coisa fantastica) para mentir e enganar demais. Dizem q sao quem nao sao, que tem coisas q nao tem, doenças, situações de vida... enganam, mente e brincam com sentimentos alheios... aí me dá saudade dos tempos das cartas, das emoções mais genuínas e da sinceridade um pouco mais a flor da pele... enfim. Gente ruim tem em todo lugar, na internet inclusive, e mto!

    Adorei o texto!
    Bjosssssss

    ResponderExcluir
  6. Anônimo17:23

    Adoreeeeeeeei!

    ResponderExcluir
  7. A internet é o meio pelo qual atualmente mas me relaciono com pessoas. Principalmente no trabalho.
    Votei em vc lá no top blog.

    Qndo puder acesse:
    http://planetacabruske.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Excelente blog!!
    Por favor,entre e comente,ou coloque como parceiro!

    http://queletra.blogspot.com/

    http://fimdejogobaltazar.blogspot.com/

    Valeu e parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Adorei amo cronicas
    Acessem e comente o meu
    Meu universo particular...
    http://atrevidoemeio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. 'Não é a toa que estamos mais ansiosos, definitivamente, desaprendemos a esperar. '

    Falou e disse. Esse é a doença crônica dos dias de hoje.

    ResponderExcluir
  11. Muito bom! Eu incluo que tudo que é muito fácil não tem o mesmo valor. A fuga da solidão é tão obvia que fica claro o desespero...

    ResponderExcluir
  12. "Com tanta facilidade, só fica sozinho quem quer – me dizem."

    Pior que é verdade! Acho que nasci na época errada...rsss =P
    Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Gabriela, acho que é mais ou menos isso que você escreveu. Na era da internet, temos muito mais possibilidades de conhecer pessoas, mas ainda assim nunca nos sentimos tão sós.
    Estranho, né?

    Anyway, sabe o que a internet tem de muuuito bom? Poder ler blogs legais como "A Cronista" e conhecer pessoas adoráveis como você.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi, Gabriela
    Realmente. Digo mais. Se por um lado minhas amigas da Faculdade que moram em cidades diversas ficam mais perto de mim, namorar pela internet pode até suprir algumas coisas, mas em contrapartida e o toque? o olho no olho? Tudo. Difícil.
    Adorei.
    Um grande abraço!
    Rafaela

    ResponderExcluir
  15. Concordo. Principalmente com a parte do "estamos mais ansiosos". Eu outro dia tb fiz um texto sobre as cartas e a internet. Até pq eu ainda peguei o finalzinho da época em que se esperava no portão pelo cara de azul e amarelo. (:

    ResponderExcluir
  16. APROVEITA E OLHA MEU NOVO BLOG, MODELO DIFERENTE, ENDERENÇO E LOCAL TBM!! ^^ http://caminhosdabio.wordpress.com/novo-blog/

    ResponderExcluir
  17. Amor é amor. Não tem meio amor, ou amor virtual, ou amor real: ou é amor ou não é. Lembro de Platão (não de amor platônico) que é um filósofo das antingas que nem está nos meus favoritos, mas encontra-se na histórico do meu navegador existencial. Se nos prendemos aos detalhes, as coisinhas que cada coisa tem, a aparência, a pessoa mesmo, sua essência some nessa crosta rechada de adornos. Não só na linguagem virtual, mas numa conversa cara a cara também. Se presto atenção demasiada no ruído que vem da garganta, na boca que se move, me escapa a sentido da frase que os barulhos e movimentos pronuciam. O que essa "Janela" faz, é escancarar a alma do outro pra gente. Quem tiver olhos que veja. "Pra quem sabe ler, um pingo é letra" - anuncia a sabedoria popular... É claro, que na outra ponta da faca, há um banalização das relações. Sozinhos, não estamos, no fundo cada um de nós é um ser sozinho, idepentende de multidões e scraps de boa semana... Aliás, que ama multidões, não suporta a si mesmo...

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Garota, qual seu e-mail para contato? Estou escrevendo uma matéria sobre cultura na internet...podemos conversar?

    Bjo

    ResponderExcluir
  20. é... isso é verdade.Hoje m dia ninguem sabe esperar nada, o mundo virou uma grande correria ...
    E o amor virtual é uma expressão dessa correria, eu me impressiono de ver as amizades e romances virtuais.
    Nascem e crscem tão rapidos, quanto na verdade a amioria não passa de hipocrisia.
    Bom... não digo todos, existem aqueles que são os um em muitos.. que se salvam...

    bjs
    http://taynalu.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. antes de terminar de ler o texto, eu ia realmente fazer essa pergunta: será que existe realmente essa proximidade. qndo marcelo camelo tinha um blog, eu me surpreendia qndo ele escaneava os seus textos - em papel, e os postava lá. caralho, véi, isso sim era um encurtamento de distâncias. às vezes é tão bom o ao vivo, a oportunidade de ser plenamente humano, ficar nervoso e tals na hora de um encontro. dar seja um abraço ou um beijo que não seja por msn, orkut. pq diante de um monitor e teclados pode-se ser quem quiser, que não vc mesmo.
    axu que a internet tem lá suas vantagens, mas deixa muito a desejar quando o assunto é relações pessoas, muito embora as aproxime friamente de algum modo.

    abraço!
    bonita reflexão. inté!

    ResponderExcluir
  22. Olá Gabriela!

    Parabéns pelo Blogue!
    Muito bom mesmo.

    Gostei muito e já votei no TopBlog.
    Estou concorrendo também com o www.poesiaemblog.blogspot.com, e aguardo sua visita e o seu voto.

    Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  23. A velocidade que está sendo impressa ao cotidiano, visando cada vez mais o "ter", acaba nos tornando pessoas mais automáticas, frias e distantes. A cultura atual é assim: o homem gasta toda saúde pra juntar dinheiro e acaba perdendo a saúde, então gasta todo dinheiro para tentar recuperar a saúde!

    ResponderExcluir
  24. simplesmente bem escrita a sua cronica. Quem ler concordará comigo.
    "Me lembrou do passado".
    reflexos de minha alma...
    UM ABRAÇO.

    ResponderExcluir
  25. "...virtualmente acompanhados ainda continuamos sozinhos. "
    Eu sei bem disso.
    Sentimos a solidão. Sentimos e - às vezes - somos sozinhos.
    ;)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  26. cauan05:48

    Mandou bem gabriela! A PEGADA ah a PEGADA ,essa é que faz valer ou não a quimica...noto tb que tem muita gente que se apaixona por alguem virtual !!!
    É os tempos mudam ! os meios de co-
    municação mudam !SÓ ESPERO QUE O AMOR NÃO MUDE...e apesar de as vêzes precisar de comunicaçáo virtual :Pelo menos que seja VERDADEIRO quem estiver do outro lado .
    Com admiração a sua pessoa termino meu coment...
    É isso ai menina... bjão ;)

    ResponderExcluir
  27. carlinha16:49

    A pegada é o tudooooooooooo...
    É a quimica revelada na hora.
    amei essa crônica ,to imaginado coisas de namoros meus e de alguns amigos ... VC é genialll...dez com estrelinhas pra vc!!!
    de passada um bju...

    ResponderExcluir
  28. lurdinha08:38

    gabriela acabei de te descobrir.
    me achei no seu blog !
    em seu texto tem muita sabedoria :
    filosofia ,psicologia ,e muitos
    etceteras pra gente voar ou melhor
    viajar ...não preciso lhe desejar:
    sucesso já é vc menina !!!
    um abraço... e já estou me sentindo em casa ...rsrsr

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário.

 
A Cronista © 2013 | Gabriela Gomes. Todos os direitos reservados.