LICENÇA PARA VIVER

Não é o caso de fazer apologia ao ócio e à inércia burra. Tampouco discernir em quais momentos fazer nada é o melhor a se fazer.

Não é o caso de deixar de se importar. É pelo contrário, se importar e utilizar o tempo que for preciso para isso.

Não é o caso de não fazer investimentos. É fazê-los calculando os riscos: considerando, preferencialmente, os mais prováveis e reais. Vale otimismo (comedido). Vale optar por si.

Não é o caso de assistir a vida passar e esquecer de acontecer com ela. Mesmo debruçado na janela vendo o trem que passa, você vai passando com ele. Você é o próprio acontecimento, mesmo que não reconheça.

Não é o caso de decidir sobre perdas e ganhos. É ter certeza de que um sempre vem acompanhado do outro. É saber usar isso a seu favor.

O caso é que prefiro o otimismo pretensioso de acreditar que ainda tenho o dia de amanhã e os que se seguem, a ter que viver tudo o que me é permitido em apenas um dia. Não é essa a euforia que eu quero pra mim. A euforia vive na ansiedade e se isso for constante, prefiro matá-la de tédio.

O caso é ouvir e acreditar menos no que dizem, e ouvir mais o que se cala.
O caso é que fazer nada ou pouco é ainda assim, fazer alguma coisa.

Não me venda receitas de felicidade instantânea. Não me ensine a não perder tempo. Sempre ganha alguma coisa quem perde. Sempre perde alguma coisa quem ganha. E eu ganho a mim até mesmo ao perder.

Não caio mais nessa conversa fiada. Aliás, gosto mesmo é de perder algum tempo me ganhando. O tempo já é corrido. Adianto o relógio só se for pra curtir a sensação de ter mais tempo. Não me apresse. Não se apresse.

Sábado de manhã, chuva lá fora, frio do caramba – me deixa quietinha trocando um léro com o travesseiro e o cobertor. Festinha pegada e eu atirada no sofá assistindo a um filminho, me deixa sossegada com as legendas e figurinhas. Passeata a favor da paz e eu querendo apenas a paz da minha grama: Favor não pisar. Livro bom e eu com todo o tempo pra histórias.

Pra mim, viver como se fosse a última vez tem cara de foto montada com risinho faceiro. De sorriso que logo se desfaz pela pressa de acontecer de novo e fica sempre pela metade.

Não quero a ânsia da última vez. Se me foi dada licença para viver, que seja ao meu modo. Escolho a tranqüilidade do que se (re)inicia.


Em 2008, um ótimo (re)início a todos.

Obs: Amigos, o blog A CRONISTA foi divulgado nas edições de janeiro das revistas Superinteressante, Capricho e Mundo Estranho (em matéria sobre o Prêmio de Criatividade Jovem: Volta ao Mundo Negresco). O ano começou bem! ;)

28 comentários:

  1. parabéns pelas menções nas revistas!

    comenta isso lá na perestroika, ppis eles adoram blogs que repercurtem!!!

    quanto ao teu post, eu não podeira concordar mais com a frase:"Não me ensine a não perder tempo."

    pra mim, devagar se vai ao longe... e é mais gostoso, hihihihi...
    bjus!

    ResponderExcluir
  2. "Você é o próprio acontecimento, mesmo que não reconheça."

    Minha bandeira para 2008.

    Menina, parabéns pelas menções... que seja prenúncio de mais surpresas boas vindo por aí!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. "Se me foi dada licença para viver, que seja ao meu modo."

    Que delícia, esse modo de viver que você descreveu. Tb quero pra mim!

    Que bom que vc voltou!


    bjs do nil

    ResponderExcluir
  4. "Não quero a ânsia da última vez. Se me foi dada licença para viver, que seja ao meu modo. Escolho a tranqüilidade do que se (re)inicia." Ameiiii isso, Gabi!!! Lindo o que vc escreveu e foi exatamente o que eu precisava ler nesse momento...

    Tranquilidade é o q tenho buscado, mas minha alma anda numa turbulencia louca e eu nem sei mais quando isso vai passar...espero que logo, pq viver assim é bastante complicado.

    Parabéns pela publicação, vc merece e o seu blog é uma delícia de se ler! Bjos queridona

    ResponderExcluir
  5. Gabi amada,
    Quem dera a sorte de todos viverem ao seu modo, em um único ritmo. O seu. Sem receitas de felicidade, nem regras aplicadas que tiveram êxitos em deteminados momentos de sorte. A questão é viver do seu modo, acreditando que está à procura do bem, do seu bem e consequentemente do bem de todos.

    E assim, a gente vai tendo os melhores momentos... :)

    Um beijo bem gigantesco!

    Lis

    ResponderExcluir
  6. quer dizer que agora és famosa?

    ResponderExcluir
  7. Oie!!!
    Vim retribuir a tua visita lá no Espamos e conhecer o teu espaço. De uma passada lá no meu Mundo Estranho. Estou te linkando lá pra poder te visitar mais vezes.
    Beijos Mila

    ResponderExcluir
  8. como diz uma música do alice in chains "If I can't be my own, I'd feel better dead" ... e é bem por aí mesmo temos que batalhar por uma vida a nossa meneira, para nos sentirmos melhor vivos - mas sempre respeitando o espaço alheio.

    nossa eu tenho uma amiga desse gabarito? que tal!

    apareça... bjs

    ResponderExcluir
  9. acho que não entendi direito. é pra dizer pra viver assim como se tem vontade?

    ah, desculpe pela sumida, estou tropeçando no começo do ano me vendo com tanta coisa pra fazer.

    beijos,

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pelas citações nas revistas e pelo texto de hoje que eu adorei.
    Eu lembro de já ter comentado anteriormente que o texto sobre delícias de estar só era o meu preferido, mas com esse último vai ter concorrência ao posto.

    Parece que você, como sempre, falou por mim. É exatamente assim que eu me sinto. E ainda tem aquela parte onde "os iguais" te acham estranha, porque você se recusa a viver "o dia de hoje como se fosse o último".
    Viver com sorriso de foto pro orkut de definitivamente não ficou pra mim.

    Um beijo pra vc!

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Assim vai acabar virando a minha cronista favorita!
    =)
    que bom saber que o ano já (re)inicia bem pra você querida! estamos no mesmo barco! =D
    meus parabéns pelo blog e tb pelos 24 aninhos! e mil perdões pelos atrasos!
    ...Eu vivo a cada momento intensamente mas procuro ñ deixar pra amanhã o que posso fazer hoje! ñ acha justo?
    mas devo admitir que as vzs, por preferir a tranquilidade e "me aproveitar", eu prefiro fazer as coisas com mais calma... ou até mesmo mais "pensadas".
    Gosto do que você escreve! Visitar o seu Blog é um ótimo programa das tardes!
    beijo grande, cronista

    ResponderExcluir
  13. Eu nem sempre comento, mas costumo dar minhas voltinhas por aqui. Parabéns pelos comentários nas revistas. Vc merece. Bjos!

    ResponderExcluir
  14. Olá! acabei de descobrir o seu blog e adorei! o post acima está de parabens!

    beijos e vc mereceu a indicação

    ResponderExcluir
  15. Realmente...
    Bem que mais pessoas poderiam se lembrar que existe essa licença para viver...

    ;)

    ResponderExcluir
  16. Ah, nossa... quantas verdades! Gostei muito de ler o texto, é um libelo para quem pretende viver na contramão, distante da ditadura-do-agora, que prega uma vida intensa, a mil, onde se engole sem mastigar, e onde se pretende mecanizar tudo, ter tudo pronto. As pessoas querem tanto ver a casa construída que não sentem o prazer de vê-la sendo levantada passo a passo do chão, o que deveria representar o momento mais importante.

    Ah, parabéns pela publicação na Super-Interessante. Eu tinha visto a matéria lá, mas não achei que fosse você... antes de saber de quem se tratava, confesso que na hora pensei: "pô, aposto que meu blog se sairia melhor". Mas agora, sabendo quem foi a vencedora, não teria tanta certeza assim, hehehe...

    Bom, que seu blog é alto nível você já sabe.. parabéns por mais uma ótima crônica, beijão!

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. É... Gabi, nem a sua ausência em meu blog fez com que eu esquecesse de seus textos. Mas não vim aqui para lhe cobrar, e sim para repartir essas suas emoções.

    Viver cada dia como se fosse o último nunca foi o meu lema. Viver cada dia como se fosse o último... é como viver regrado em suas próprias emoções. prefiro viver com objetivos, sem ideais promiscos. Prefiro sonhar com o dia de amanhã ao viver para a morbidade existencinal que se torna inexistente.

    Confesso que estava com saudades de suas palavras.

    Saudações, e feliz 2008

    ResponderExcluir
  19. desistiu do tri buenas e do amigo diego?

    =/ apareça!

    bj

    ResponderExcluir
  20. Ahhhhh começou o ano quente hein!!!
    uahuahauh
    Adorei o post...se sabe que eu fiquei na maior torcida neh (Ainda mais que eu ia ganhar um cartão) uahuaha
    Superinteresaante?!!
    Ng te segura esse ano !!
    bjooooooooooo

    ResponderExcluir
  21. kkkkkkkkkk tá desculpada... agora entendi suas razões... que praia vc foi? sou de Imbé e a Drica do blog Natureza inconstante [e minha sra] vai vir pra cá dia 24 ... se estiver por aqui vamos tomar um mate! bj

    ResponderExcluir
  22. Muito bem, começou o ano muito bem.
    :)

    ResponderExcluir
  23. Onde andas, mocinha???
    CADÊ TUUUUUUUUUU???? rsrsrs
    Manda notícias...
    Bjos

    ResponderExcluir
  24. Parabéns pela menção nas revistas.

    ResponderExcluir
  25. só pra dizer que não precisa te preocupar não.
    volte logo a escrever, viu.

    bjs

    ResponderExcluir
  26. Este vento que sopra nos brandais
    Leva de arrasto a minha alma
    A proa estende-se adiante na vaga
    Olhar de garça o meu coração acalma

    Ai quem me dera voar no canal
    Ai quem me dera ser a tua espera
    Ai quem me dera que o amor
    Ai! morasse naquela terra


    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  27. Hummmm! Não é o caso de elogiar sem motivo, ou até lisonjear por delicadeza. A menção do seu blog foi deveras merecida.... e não é o caso de ruborescer, como uma menininha que se ofende e encanta com o elogio. É o caso de comemorar, de abrir o sorriso, de gozar o momento, sem vergonha, como a 'Vitoriosa' de Ivan Lins.

    ResponderExcluir
  28. Gabiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    gostei mt dessa cronica.

    'eh nois' nas revistas huahau
    bjao querida

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário.

 
A Cronista © 2013 | Gabriela Gomes. Todos os direitos reservados.