DESAFIO (Continue o texto)


Ainda não havia comentado aqui: terminei esse mês um curso de Crônicas no
Studio Clio com o Carpinejar (quem lê aqui com uma maior freqüência já não é a primeira vez a esbarrar com esse nome). Pra quem for de Porto Alegre e redondezas e gostar de escrever está dada a dica.

Dando continuidade ao espírito do curso, proponho aqui o mesmo desafio final: escrever um texto a diversas mãos e cabeças e ritmos. O que como conclusão do curso está acontecendo via correio, aqui pode ser realizado através dos comentários. (Viva a tecnologia!)

Acho um exercício supergostoso e divertido. Além de exercitar a criatividade e causar surpresas, mostra o quanto é delicada uma criação em equipe. Quanta liberdade de seguimento uma única frase pode ter, de maneira a dar novas formas e um desfecho ao que se conta.

Imagem: Corbis

REGRAS

1) Nº de participantes: 15 pessoas;
2) Cada escritor terá direito de participar uma vez e de impreterivelmente 3 a 5 linhas da caixa de comentários à disposição de sua criatividade;
3)
O 14º escritor será incumbido de finalizar o texto. (Assim, caro nº 13, seja bonzinho na sua vez e deixe o final engatilhado para o 14º);
4)
O 15º autor fará as vezes de leitor e será responsável por definir o TÍTULO.

Lembre-se:

- Você tem 2 opções: Facilitar ou dificultar a vida do próximo a escrever.
- Coloque o númerozinho correspondente a sua colaboração na mensagem. Evitamos o caos!
- Não esqueça de MANTER A COERÊNCIA E LÓGICA do texto que é seu também!

Assim que estiver finalizado, posto a íntegra para juntos discutirmos a nossa mais nova obra!


BRAIN, COMECE A STORM!

Início: Atrás de um grande homem sempre existe uma incrível mulher. Uma mulher incrivelmente insatisfeita. Há exceções é verdade, mas você não precisa concordar comigo de imediato. Um pouco mais de prosa e você me dará razão. Sei que dará. (...)

26 comentários:

  1. 01) Atrás de um grande homem sempre existe uma incrível mulher. Uma mulher incrivelmente insatisfeita. Há exceções é verdade, mas você não precisa concordar comigo de imediato. Um pouco mais de prosa e você me dará razão. Sei que dará.(...)

    ResponderExcluir
  2. Se for de sua preferência, faça uma pesquisa e descubra quantos casais não obedecem à sugestão. Até Albert Einstein batia na esposa e tinha fama de violento. (...)

    ResponderExcluir
  3. 03) Porém, como diria o próprio Einstein, tudo é relativo. Não que as esposas devam ser violentadas, mas, nunca se ouve falar de maridos vítimas de abuso.

    ResponderExcluir
  4. Essa era a vida o infeliz Creonte. Começou batendo nas meninas da rua e hoje é casado com um mulher que bate nele todo santo dia.

    ResponderExcluir
  5. 05-) Sempre nos mesmos horários e indiferentes motivos. Em pé, deitado, sentado, quieto, falante, calado, tudo é motivo.

    ResponderExcluir
  6. 06-)O que ninguém sabe e nem imagina é que por trás da masculinidade pomposa ele apanha. E gosta.

    ResponderExcluir
  7. Mas Freud explica. Tudo isso aconteceu, porque em 1982, ele cometeu seu primeiro incesto.

    ResponderExcluir
  8. (7) E ficou tudo entre irmãos. Nada mais familiar que o incesto, não é mesmo? Com a irmã "feita", ele começou a se sentir obcecado por sua mãe...

    ResponderExcluir
  9. (8) De fato, por trás de um grande homem, existe uma mulher maior! Com desejos incesáveis e sonhos melancólicos.. com esperanças e desilusões! Aquele Grande homem não à satisfaz como deveria.. e tão pouco a faz feliz, mas ela sabe, que sem aquele grande homem... ela jamais seria uma incrivel mulher!

    ResponderExcluir
  10. PARÊNTESES (Dou-lhe uma, dou-lhe duas... Alguém mais para desfazer esse NÓ????????)

    ResponderExcluir
  11. (9)Afinal, levamos um certo tempo a entender que somos dependentes, de alguém, ou alguma coisa, seja ela qual for. E que, às vezes, para sermos melhores do que já somos, necessitamos dessa...coisa.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. e mais do que ser dependente a mulher gosta de desafios e quão grande é o desafio de ser responsável por esse ser que apesar de possuir grande inteligencia,e incapaz de sobreviver sem os cuidados femininos(...)

    ResponderExcluir
  14. Parênteses: Gabi, quebrei a cabeça mas o nó já estava dado e bem amarrado... vou pensar em alguma coisa coerente para não estragar o que já foi escrito nem embaralhar a cabeça de ninguém. Beijos!

    PS: e que idéia fantástica, menina... tão boa que já fui até conhecer o blog do teu guru...

    Beijos mais

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. 11] nesta hora pouco importam Einstain e Freud, as necessidades sentimentais afloram, é descoberto que mais do que a simples guerra de sexo, há uma cumplicidade tanto do grande homem, quanto da imensa mulher ...

    ResponderExcluir
  18. ATENTEM: O PRÓXIMO A ESCREVER É DE NÚMERO 13 (houve equívoco na numeração). Vamoooos, que estou LOUCA pra comentar esse texto!

    TEM UMA GALEEERA apagando seus próprios comentários! Assim não vale! ;)

    beijos a todos.

    ResponderExcluir
  19. 13) E essa ligação passa a superar todos obstáculos de entendimento, de conceitos prontos, frases feitas, histórias repetitivas. O que era complicado, agora não tem mais dúvida: Ambos vivendo sozinho ou são Deuses ou uma ilha. ...

    ResponderExcluir
  20. E com o passar dos tempos aquela cumplicidade desapareçe, os anos que passaram juntos agora tão distantes parecem ser. O que nos leva a voltar ao nosso inicio, por traz de um grande homem existe uma incrivel mulher insatisfeita.

    ResponderExcluir
  21. PRECISAMOS DE UM T�TULO!
    Quem vai?

    ResponderExcluir
  22. A incrível história de Creonte e o nó bem dado

    ResponderExcluir
  23. José amava João que amava Maria e que não amava nenhum dos dois. Hehehehe

    ResponderExcluir
  24. "Quando os olhos do meu amor estão fechados"

    ResponderExcluir
  25. A última vez que encontrei o Fabrício nos corredores da Unisinos ele estava brigando com o segurança. Tudo para deixar que eu tocasse violão em alto e bom som, e por consequência, eu importunava os demais alunos. Carpinejar é a própria obra.

    A propósito, já saiu o título?

    Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário.

 
A Cronista © 2013 | Gabriela Gomes. Todos os direitos reservados.