EU ADMIRO QUEM ESCREVE

Texto Gabriela Souza Gomes
Foto de Randy Faris

Eu tenho profunda admiração por quem escreve. Por quem escreve por necessidade, por quem escreve por obrigação, vocação ou vaidade. Não importa, eu continuo admirando.

Admiro quem aparece na revista periodicamente. E quem desaparece dando chance ao texto se sobressair. Admiro quem se dita no blog. Faz fama em livros. Admiro quem é Best-seller e quem é anônimo.

Admiro quem escreve literatura de verdade e de mentirinha. Quem se arrisca pouco e quem se joga de verdade. Admiro os que, palavra por palavra constroem romance, ficção, aventura. Em moldes de poesia, música, crônica, conto e formas outras tantas.
Admiro quem se coloca no enredo nada, parcial ou integralmente. Quem cria e vive a vida de personagens. Quem se expressa em palavrão e quem se poetiza. Quem tagarela no coloquial ou escreve erudito. Não importa, eu continuo admirando.

Admiro até aqueles que constroem o que não gosto. O que sugerem o que não concordo. O que evocam o que quase abomino. Admiro mais os que assinam o que escrevem, mas continuo admirando os que se subscrevem com incógnitas letras iniciais e os que se despedem por alcunhas.

Admiro quem tropeça nas letras e se encontra no dicionário. Quem se debruça com caneta sobre o papel: de pão, de boca, de presente. Admiro o escritor saudosista que não abre mão da máquina de escrever e o informatizado.

Admiro quem escreve a cor ou preto e branco. Quem escreve a tinta e com suor. Admiro quem escreve no presente, revive o passado ou inventa o futuro.

Admiro quem escreve no deboche, no escárnio ou se debulha em pranto. Quem se complica depois de escrito e se acerta em cheio. E quem acerta em cheio por não complicar demais.

Admiro o que se escreve em voz alta ou se pronuncia baixinho. O que escreve pra si. O que escreve pros outros. O que sabe o que está fazendo e o que não tem tanta certeza assim. Contanto que faça, eu admiro.

Admiro até mesmo quem escreve de trás pra frente. Contanto que ele próprio se compreenda, eu admiro. Admiro quem se organiza no papel e se perde pra se encontrar e se descobre ao se surpreender. Mesmo que seja na próxima palavra, no outro parágrafo ou na história seguinte.

Eu tenho profunda admiração por quem escreve. Por quem escreve pra se entender e quem se desentende ao escrever. Eu tenho profunda admiração por quem escreve e se sublinha. Quem escreve e se pontua. Quem escreve e se exclama. Quem escreve e se questiona. Mas admiro mais ainda quem acertando ou errando, continua.

5 comentários:

  1. Muito legal! Pensas muito, e bem, e ainda, isso demonstra claramente que a ESPM não são apenas meninas de 20 anos prontas para a noite!Gosto das tuas idéias. =)

    Serei um assíduo frequentador.

    Beijo e abraço.

    ResponderExcluir
  2. òtimo texto...me emocionei

    admiro.

    ResponderExcluir
  3. Admiro muito vc!!! Parabéns pelo belo texto

    ResponderExcluir
  4. Eu também admiro quem escreve. Gosto das palavras, gosto de escrever. Por isso, registro aqui a minha admiração por suas palavras, que bem colocadas formaram esse belo texto. Marilda de Souza Gomes.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu comentário.

 
A CRONISTA © 2013 | Gabriela Gomes. Todos os direitos reservados.